CHN Transplante

Transplantes é aqui, porque a vida é para especialistas!

O CHN destaca-se na região como referência em transplantes, sendo o único hospital privado quaternário do Norte-Leste Fluminense a liderar o ranking como a unidade que mais realiza transplantes em todo o Rio de Janeiro. Atualmente, mais de 60% dos transplantes de medula óssea no estado são realizados no hospital.

Somos credenciados pelo Sistema Nacional de Transplante (SNT), do Ministério da Saúde, desde 1998 para transplante renal; desde 2007 para transplante de medula óssea autólogo e alogênico; desde 2015 para transplantes musculoesqueléticos e em 2016 fomos habilitados a realizar transplante de medula óssea alogênico não aparentado e haploidêntico. Em abril de 2018, além da habilitação para transplante cardíaco, foi inaugurada a Unidade de Transplantes no sexto andar das unidades IV e V. São, ao todo, 26 leitos – sendo 11 suítes VIPs com antessala e varanda hermética revestidas de vidro para manter a área isolada, evitando contaminação. Um consultório para pré e pós-transplante e uma sala dedicada à fisioterapia, com bola de pilates, esteira, caneleiras, pesos para reabilitação motora, cardíaca e respiratória, está disponível para acompanhamento dos pacientes internados em fisioterapia e pós transplantados. Plantonistas médicos 24 horas e equipe de enfermagem especializada há mais de 10 anos na área. O credenciamento mais recente em transplante chegou em 2019 e agora o CHN pode realizar transplantes de fígado.

Para melhorar a experiência dos pacientes, o CHN investiu no que há de melhor em tecnologia médica para o novo setor, como filtros de ar com pressão positiva (HEPA) nos quartos e no corredor e um sistema de deionização da água, que realiza o processo de purificação para minimizar o risco de contaminação. Os quartos também contam com sistema de reconhecimento de voz do paciente, monitorização central dos leitos por câmeras vigiados 24 horas pela equipe de enfermagem e monitoramento on-line para controle de temperatura, umidade do ar e pressão positiva.

Pensando na qualidade de vida do paciente durante a internação, um telão no corredor do andar transmite imagens de paisagens e está conectado ao Kinect, sensores de movimento que permitem aos pacientes e familiares interagirem com jogos virtuais. Nos corredores também ficam as “janelas virtuais”, telões que simulam janelas com paisagens para amenizam a rotina dos longos períodos dentro do hospital.

Além disso, 15 leitos/dia (Day Clinic) estão à disposição, exclusivamente, dos pacientes pré, pós-transplante e aos clientes de onco hematologia. Com isso, garantimos total atenção para os pacientes e seus familiares, além de segurança e conforto para os especialistas envolvidos em transplantes.

Para realizar um transplante no CHN, entre em contato através do endereço eletrônico chntransplante@chniteroi.com.br e conheça o passo a passo sobre o procedimento. Para outras informações: (21) 2729-1000, ramal 1150 e 1151.

Acolhimento

Os familiares dos pacientes transplantados também são prioridade em nosso tratamento. Sob essa ótica, contamos com o Espaço da Família, um centro multidisciplinar para as famílias de pacientes de transplante e hemato-oncológico. Um ambiente exclusivo, cujo objetivo é dar mais conforto e informações a eles e a seus familiares e fornecer as recomendações na admissão e alta hospitalar, além de oferecer serviços complementares ao tratamento, como Hemoterapia, psicologia, fisioterapia, enfermagem e medicina especializada. O espaço conta com uma área ampla e aconchegante com televisores, cafeteria, sinal de Wi-Fi, espaço para leitura e sala de reuniões para conversa com a equipe multidisciplinar, tudo ao lado de um solarium com espaço aberto, modelo de humanização precursor na área.

Quando um paciente que realiza um transplante de medula óssea passa com sucesso pelo período de tratamento com a nova medula, que começa a funcionar normalmente, os especialistas dizem que houve a “pega da medula”. Sendo assim, a cada “pega” e alta hospitalar é realizada uma festa com direito a bolo e muita comemoração para celebrar esse momento tão especial.

Orientações de pré-internação para pacientes oncológicos e de transplantes e seus familiares

– Compareça ao Complexo Hospitalar de Niterói (CHN) na hora agendada.
– Siga as orientações do seu médico e da enfermeira da unidade de transplante e Oncologia.
– Siga corretamente as orientações relacionadas aos protocolos de utilização de medicamentos, conforme orientação do seu médico assistente (para pacientes de transplante de Medula Óssea).
– O paciente NÃO deverá fazer uso de nenhum anticoagulante até 10 dias antes da internação hospitalar.
– Durante o transplante as visitas serão restritas, sendo permitido apenas 1 (um) acompanhante por vez. Informe a enfermeira quem serão seus acompanhantes.
– Não é aconselhável ficar sem acompanhantes durante a internação.

O que o paciente pode trazer para o hospital?

– Material de higiene pessoal (escova dentária com cerdas macias).
– Pijama ou camisola (de preferência com botão).
– Livros, dispositivos de áudio portáteis e notebook.

O que o paciente NÃO deve trazer para o hospital?

– Roupas de cama e banho.
– Medicamento de uso pessoal dentro do quarto.
– Cigarros e charutos.
– Jornais.
– Alimentos trazidos de fora.
– Plantas e flores, tanto na área da unidade de transplante quanto dentro do quarto.
– Fornos micro-ondas, sanduicheiras, cafeteiras, pipoqueiras, ferro de passar, umidificadores de ambiente e outros aparelhos semelhantes.
– Bichos de pelúcia.

Orientações específicas para o acompanhante:

– Ao chegar para acompanhar seu familiar, identificar-se na recepção e no posto de enfermagem.
– Ao sair e entrar no quarto, sempre lavar as mãos.
– Lavagem das mãos antes e após a ida ao banheiro com álcool gel (disponível no quarto).
– Sempre que utilizar o sanitário, dar descarga com a tampa fechada.
– Caso o acompanhante esteja resfriado, com coriza, tosse, diarreia, lesões em pele e outros sintomas, não comparecer ao hospital.
– Durante a internação, registrar tudo que for ingerido e eliminado pelo paciente. A enfermagem irá orientar e ajudar.
– Refeições servidas ao paciente: desjejum (6h30 às 7h30), colação (9h30 às 10h), almoço (11h30 às 12h30), lanche da tarde (15h às 16h), jantar (18h30 às 19h30) e ceia (21h30 às 22h).
– Refeições servidas aos acompanhantes: desjejum (6h30 às07h30), o almoço (servido de 13h às 14h) e o jantar (servido de 19h30 às 20h30). As solicitações das refeições do acompanhante são realizadas através da visita da Técnica de Nutrição ao quarto do paciente ou através do ramal 7117 (o almoço pode ser solicitado até às 10h30 e o jantar, até às 16h).
– As refeições do acompanhante serão servidas durante a internação sem nenhum custo adicional, de acordo com a tabela da operadora de saúde (transplante de medula óssea); para os demais motivos de internações, o custeio das refeições dependerá da cobertura do plano do paciente.
– O paciente NÃO poderá ingerir nenhum alimento que não seja oferecido pelo serviço de nutrição do hospital. As refeições serão servidas com base na prescrição dietética, visando atender às necessidades nutricionais do paciente, afim de auxiliar na sua recuperação e prevenir complicações do tratamento. O paciente será avaliado pela Nutricionista da unidade de Transplantes e, a partir desta avaliação, será traçado o seu plano nutricional. Não há qualquer custo para as refeições do paciente, independente da modalidade da internação;
– Importante: visando a segurança alimentar (RDC 216 da ANVISA), após servidas, as refeições, tanto de pacientes quanto de acompanhantes, deverão ser consumidas em até 1 (uma) hora. Após esse período, as bandejas serão recolhidas para evitar riscos ao paciente.
– A roupa do acompanhante será fornecida e recolhida diariamente às 17h.

Orientação sobre as vacinas especiais em familiares:
Algumas vacinas não devem ser usadas por quem está em contato com pacientes transplantados, como a vacina da Poliomielite Oral e do Rotavírus Oral, devido à possibilidade do vírus vacinal prejudicar a saúde do transplantado. Existem vacinas muito seguras e eficazes para substituir as vacinas citadas, mais informações podem ser adquiridas no CRIE (Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais).

Corpo Clínico

Márcia Rejane Valentim

Coordenadora do CHN Transplante

Alan Castro

Coordenador do Programa de Transplante Renal

Rodrigo Goes

Coordenador do Programa de Transplante Musculoesquelético

Maria Claudia Rodrigues Moreira

Responsável técnica pelo Programa de Transplante de Medula Óssea alogênico e haploidêntico

Ricardo Bigni

Responsável técnico pelo Programa de Transplante de Medula Óssea autólogo